Noturno

Magritte - Le belle de nuit

Noturno

Não se pode ouvir
o que a noite canta na palavra.

Nela sua voz soa silêncios.

É que a noite só canta
o avesso das coisas.

E a canção da noite é o nada.


Imagem: La belle de nuit, René Magritte, óleo sobre tela, 1932.
Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s